top of page
  • Foto do escritorEquipe de Comunicação CUME

Segurança protesta por recomposição salarial


Servidores da Segurança Pública de Minas Gerais protestam na manhã desta segunda-feira (25), na Cidade Administrativa. A categoria cobra o pagamento de duas parcelas da recomposição salarial das perdas inflacionárias de 41,7% prometidas pelo governo em 2019 e que seriam pagas em três vezes. Em 2020, no entanto, o Executivo sancionou apenas 13% do valor.



Conforme o deputado estadual Coronel Sandro, um dos responsáveis pela manifestação, a manifestação quer "incomodar o mínimo possível", mas mostrar a revolta da categoria com o não pagamento de duas parcelas restantes de 12% que, inicialmente, estavam previstas para serem pagas nos meses de setembro de 2021 e 2022.


"Estamos unidos para reivindicar o que temos de direito. Fechadas as entradas da Cidade Administrativa", afirmou o Coronel Sandro.


Zema condiciona reajustes à aprovação do RRF


Em entrevista exclusiva à Rádio Itatiaia na manhã desta segunda-feira (25), o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), condicionou o pagamento de reajustes à aprovação do Regime de Recuperação Fiscal (RRF), texto que tramita na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).


"Nós iremos fazer tudo que é possível. Vale lembrar que todos os servidores do estado gostariam de ter recomposição salarial. Todos merecem. E se a Assembleia aprovar o regime de recuperação fiscal nós vamos iniciar o pagamento dessa recomposição", afirmou

Para o Coronel Sandro, no entanto, são situações distintas. "É um tema que tem que ser debatido, entendemos isso. Mas as duas parcelas [de 12% de reajuste para a segurança pública] já foram concedidas e aprovadas", afirmou.



Comentários


bottom of page